Dados imprecisos comprometem o desempenho das empresas brasileiras

Por Reinaldo Cavassana, diretor-executivo da MAJOR Business Solutions

Os números são alarmantes: metade das empresas brasileiras reconhecem que os dados empregados em suas análises não são precisos, o que acaba por comprometer a eficácia dos processos de gestão. O levantamento*, realizado pela Serasa Experian com profissionais no Brasil, Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França e Austrália identificou também como outro problema derivado dessa má qualidade das informações a perda de recursos associada à geração de gastos adicionais.

Entre os 1.100 entrevistados, essa consequência negativa foi reconhecida por 41% na média mundial e por 42% dos brasileiros. Para 78%, os custos associados à má governança dos dados são reconhecidos como um desafio para os negócios, sendo que, na média global, 28% definiram o problema como significativo. No Brasil, esse reconhecimento salta para espantosos 87%.

Nas áreas em que atuamos, não é incomum que nossas equipes de BI se depararem com diversas situações nas quais, ao disponibilizar um dashboard, recebemos um feedback informando que os dados estão errados. Ao nos aprofundarmos no problema do cliente identificamos que, na maioria das vezes, os erros estão na fonte dos dados e não na captação e apresentação. Em alguns casos chegamos a comprovar a existência de três fontes do mesmo dado apresentando três valores diferentes.

A questão da confiabilidade dos dados é de fundamental importância para uma correta tomada de decisão e a reversão deste quadro passa, necessariamente, pela adoção de metodologia correta. O modelo PDCA (Plan, Do, Check, Action), com o ciclo se fechando através da retroalimentação para o Plan, permite que os dados sejam higienizados, ganhando a confiabilidade indispensável para que a empresa tome as decisões em seus diversos níveis com uma margem de erro muito menor. Esta postura pode representar a diferença entre o fracasso e o sucesso, ainda mais em um cenário tão desafiador como o atual.

* Pesquisa realizada pela Serasa Experian envolvendo empresas de diversos setores, entre os quais  telecomunicações, manufatura, varejo, serviços comerciais, serviços financeiros, saúde, setor público, educação e utilities e outras. O relatório completo está disponível em:

https://www.serasaexperian.com.br/blog/pesquisa-gestao-dados-2020

Share on linkedin
Share on facebook
Share on twitter

VEJA TAMBÉM

ISM como fator decisivo na retenção de clientes

ISM como fator decisivo na retenção de clientes

Controlar a área de TI de uma empresa não é tarefa fácil. Seja através de mão de obra própria ou

Guiando sua empresa para o sucesso na trilha de BI

Guiando sua empresa para o sucesso na trilha de BI

Guiando sua empresa para o sucesso na trilha de BI Hoje, é muito difícil imaginar uma organização capaz de ser

Inteligência artificial de olho na produtividade

Inteligência artificial de olho na produtividade

Fala-se muito em inteligência artificial desde o século passado. Filmes de ficção cansaram de retratá-la como um ser capaz de